Pesquisar

Próxima Reunião

Sem Eventos

Destaques

 

 

 

 

 

 

Representantes da Mineradora Vale estiveram, na tarde de 28 de novembro, no Plenário da Câmara de Brumadinho para apresentar aos Vereadores o Plano de Ação e Emergência de Barragens.

De acordo com a empresa, esse plano é desenvolvido em parceria com a Defesa Civil de Brumadinho, sendo um estudo voltado para os barramentos da mineradora em todo o município. “Trata-se de um desenho hipotético de um possível rompimento, as comunidades afetadas e ações a serem tomadas”, destacou o funcionário Tiago, da equipe de Prevenção e Controle de Perdas da Vale. A equipe da empresa salientou ainda que as barragens localizadas no Município de Brumadinho estão funcionando em perfeita normalidade e que o plano de ação é de caráter preventivo.

Ainda de acordo com a mineradora, existem três tipos de alerta: no primeiro é identificado o problema estrutural de uma barragem e a empresa passa a mobilizar recursos para sua correção, o que é um ato interno na mina; o segundo alerta acontece caso o problema não tenha sido devidamente corrigido e toda a população da área de influência é avisada; o terceiro alerta acontece no caso de rompimento iminente da barragem, com a remoção da população das áreas de risco. De acordo com os representantes da Vale, o plano de ação agora será devidamente apresentado a todas as comunidades da área de influência da mineração.

Participaram da apresentação os Vereadores Alessandra de Oliveira, Flávio Miranda, Professor Caio Braga, Professor Hideraldo Santana, Renata Parreiras e Vanilson dos Santos (Geada).

“É de grande importância para as comunidades existentes no entorno da mineração que haja um planejamento adequado para emergência como é o caso do rompimento de barragens. Depois do desastre que aconteceu em Bento Rodrigues, no Município de Mariana, ficamos extremamente preocupados com a segurança dos barramentos existentes em nosso município. Consideramos importante que esta reunião seja também realizada com o população de Brumadinho, com participação do Legislativo, Executivo e Judiciário, vez que, no caso de incidente, tais poderes serão acionados. E a fiscalização deverá ser constante, tanto pelos órgãos reguladores, poderes públicos quanto pela própria sociedade, na forma de cobranças e denúncias”, comentou a Presidente da Câmara, Vereadora Alessandra de Oliveira.